Beleza levada a sério

A médica dermatologista Jane Domingues Ohara revela nesta edição que a Especialidade de Dermatologia (problemas da pele, cabelos e unhas) tem como sub especialidade a cosmiatria, que cuida da beleza humana de forma responsável, ética e nos mostra aparelhos de lasers e tudo o que tem de novo nessa área, inclusive o Fotofinder, um aparelho de inteligência artificial

Quando adolescente, Jane Domingues Ohara se inspirou no irmão, Jayro Domingues, médico ginecologista e obstetra, que integrou a 4ª turma da Faculdade de Medicina de Marília. Assim, fez vestibular e, aos 18 anos, ingressava também na Famema para cursar sua sonhada faculdade. “Tive o privilégio de ter professores maravilhosos e fiz muitas amizades”, destaca.

Em 1979, a médica foi aprovada na residência de Dermatologia na Unesp de Botucatu. Em seguida, cursou estágio na USP São Paulo e na clínica do saudoso professor doutor Sebastião de Almeida Prado Sampaio, um verdadeiro ícone da Dermatologia, autor de diversos trabalhos científicos e livros. “Costumávamos dizer que existe a era pré e pós-Sampaio. Tenho muita admiração e gratidão pelo professor que muito me ensinou e foi um pai intelectual para mim”. Teve seu título de especialista (TED) aprovado em março de 1981 e desde então dedica-se a exercer sua profissão em sua amada cidade de Marília.

Jane revela que a Dermatologia passa por evoluções em alta velocidade nas últimas décadas. “Antigamente essa era uma especialidade clínica, mas depois foi se transformando em clínico-cirúrgica. Além de doenças de pele, cabelo e unhas, nossa atenção também está voltada à área de Cosmiatria (Estética Médica) que é a ciência que estuda a beleza humana de forma responsável e ética”, explica a especialista.

Com 40 anos de experiência, a médica se dedica muito a lapidar seus conhecimentos constantemente para trazer o que há de mais avançado na Dermatologia para Marília e região. A clínica possui avançada tecnologia em equipamentos e técnicas para oferecer opções diagnósticos e opções minimamente invasivas para grandes dilemas da especialidade, tais como o câncer de pele – responsável por 33% dos casos da doença no Brasil -, além do envelhecimento da face, flacidez corporal e alopecia (calvície).

Carimbo e receituário personalizado

DERMATOSCOPIA DIGITAL COM INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia, o câncer de pele responde por 33% de todos os diagnósticos desta  doença no Brasil. O Instituto Nacional do Câncer (INCA) registra, a cada ano, cerca de 180 mil novos casos. Para contribuir no diagnóstico e acompanhamento de lesões, a Dermatoscopia Digital é umas das opções mais avançadas na avaliação dermatológica, permitindo realizar o mapeamento corporal do paciente. “Essa tecnologia, munida do apoio da inteligência artificial, nos permite realizar um rigoroso controle de pintas e manchas de pele, proporcionando um acompanhamento mais preciso e nos alertando quando há qualquer tipo de alteração, ampliando a segurança diagnóstica”, pontua a médica. No procedimento, toda a superfície da pele do paciente é fotografada por uma câmera especial, que gera imagens sem flashes ou reflexos e em alta resolução, permitindo a ampliação em 20 a 70 vezes. Um software de escaneamento identifica todas as manchas da pele e as classifica de acordo com seu nível de relevância, facilitando a localização de cada uma delas pelo médico. As lesões mais suspeitas, então, serão analisadas com o dermatoscópio digital, com o benefício de redução do tempo do exame e, consequentemente, da ansiedade do paciente, bem como reduzindo as intervenções que demandam remoção de tecido, o que também amplia o conforto do paciente. “Ao contrário do que se pode imaginar, a maioria das lesões malignas, chamadas melanomas, não surge de uma pinta existente, mas sim de novas manchas na pele. Esse ponto muitas vezes não é perceptível a olho nu, mas, no entanto, pode abrigar milhares de células malignas. Hoje temos soluções inteligentes e inovadoras, que usam tecnologias digitais e a inteligência artificial, nos oferecendo mais precisão e agilidade para visualizar e avaliar cada mínima alteração na pele, colaborando para o tratamento mais precoce e melhores índices de tratamento com sucesso”, explica a médica.

ALOPÉCIA (CALVÍCIE)

Além do diagnóstico de lesões de melanomas, a dermatoscopia também é um método que colabora para o diagnóstico de problemas capilares relacionados à calvície (alopecia). Nesse caso ele é chamado de tricoscopia. “O exame também ajuda a detectar a evolução da alopecia – se a queda está aumentando ao longo do tempo, se o tratamento utilizado está surtindo resultados ou não, e assim possibilita a sugestão de novos tratamentos, ou até mesmo um transplante capilar, se for o caso”, comenta a especialista.

Fotofinder para avaliação de queda de cabelos e aumento de pintas

HARMONIZAÇÃO FACIAL

Com o passar dos anos, o corpo vai gradativamente perdendo a capacidade de repor a elasticidade e os coxins de gordura da face, bem como perde a tonicidade dos músculos. Isso desencadeia o processo de envelhecimento facial, com linhas de expessão, rugas e flacidez.

Hoje, a Dermatologia desenvolve protocolos minimamente invasivos que permitem intervir antes mesmo do aparecimento dos primeiros sinais de envelhecimento, ou, mesmo quando já estabelecidos, permitem uma melhora global na face sem a necessidade de cortes ou cirurgias. Há diversas técnicas que podem ser empregadas, sejam elas sozinhas, para corrigir alguma pequena imperfeição, ou mesmo em conjunto, para potencializar resultados, na chamada harmonização facial, feita com substâncias injetáveis.

 TOXINA BOTULÍNICA

A toxina botulínica é utilizada há muito tempo pela Medicina, e na Dermatologia em específico, ajuda a reduzir as chamadas rugas dinâmicas da face, que surgem marcando nossas expressões, como as “linhas de marionete” e o “bigode chinês”, prevenindo as rugas estáticas, que se tornam evidentes mesmo quando não realizamos qualquer movimento ou expressão com o rosto. Devido à sua atuação nos músculos,a toxina também pode ser usada para alívio do bruxismo e tratamento de hiperidrose, não apenas nas axilas, mas também no rosto e couro cabeludo, bastante comuns em mulheres menopausadas.

ÁCIDO HIALURÔNICO

Com o passar do tempo, há a queda das estruturas da face – transformando o rosto, que antes tinha forma de triângulo, em um quadrado. “É a chamada quadralização da face”, explica Jane. Para prevenir, corrigir ou amenizar essa queda e falta de volume, o ácido hialurônico é o preenchedor mais utilizado hoje. “O corpo humano fabrica essa substância naturalmente, que é capaz e manter as formas e contornos do rosto, mas como a produção cai ao longo dos anos, temos a opção de repor o volume em locais como o bigode chinês, região malar, queixo, boca, olheiras. Podemos até mesmo fazer a rinomodelação (modelagem do nariz) sem uso de intervenção cirúrgica, usando apenas o preenchedor”, destaca. Há 20 anos, a médica trabalha com injetáveis e afirma que é necessária muita habilidade, senso de estética e estudo de anatomia para não ocorrer o efeito inverso, ou seja, a desarmonização facial, com a alteração de proporções, por exemplo. “O intuito dos preenchedores é realizar alterações não apenas minimamente invasivas, mas também proporcionar uma aparência bastante natural, como se a pessoa tivesse rejuvenescido, mas sem que se consiga determinar exatamente o que foi feito”, detalha a especialista.

BLEFAROPLASTIA SEM CORTES?

Outra opção de intervenção minimamente invasiva que as novas tecnologias proporcionam é o plasma fracionado. O plasma (gás ionizado) é considerado o quarto estado físico da matéria. Sua aplicação é feita sem tocar a pele, causando um aquecimento controlado em pequenos pontos, o que causa retração, estimulação de colágeno e de elastina. Essa inovação foi desenvolvida para tratar áreas delicadas de forma segura – como a flacidez de pálpebras superiores e inferiores, por exemplo, com o que tem se chamado de “blefaroplastina não cirúrgica”.

“Esse plasma pode ser usado em diferentes frações e intensidades, de acordo com o protocolo de tratamento desejado. Caso o paciente seja candidato a realizar o procedimento, é preciso se certificar de que o equipamento seja aprovado pela Anvisa e, neste caso, o único profissional autorizado a utilizá-lo é o médico. Isso traz a segurança necessária para uma intervenção que envolvem o uso de altas temperaturas”, informa a médica.

Além de conferir mais firmeza para pálpebras inferiores e superiores, o plasma fracionado é utilizado para ajudar no rejuvenescimento de outras áreas da face, tratamento de queratoses, verrugas, cicatrizes de acne, entre outros. E também pode ser usado após procedimentos cirúrgicos para potencializar os resultados.

LIPOASPIRAÇÃO SEM CIRURGIA?

“Perder ou ganhar peso normalmente não aumenta ou diminui o número de células de gordura. O que acontece é que, após uma perda de peso, as células adiposas ficam menores, mas elas permanecem no mesmo local”, explica a especialista.

Aparelho para gordura localizada desenvolvido em Havard e aprovado pelo FDA e pela Anvisa

Mas um procedimento que visa reduzir o número de células adiposas ganhou status rapidamente ao entregar resultados comparáveis a uma lipoaspiração – sem a realização de cortes e sem agulhas.

Esse tratamento realiza o resfriamento controlado da gordura corporal em locais de difícil perda, até mesmo com a realização de exercícios. “Num processo de criolipólise, porém, as células de gordura de uma determinada área são congeladas e são gradualmente destruídas, deixando o corpo através do processo de eliminação natural do corpo” completa.

De acordo com as intenções do paciente, as áreas a serem tratadas são avaliadas pelo médico especialista e então é sugerido o protocolo de tratamento.

De acordo com estudos clínicos, o procedimento, quando realizado com equipamentos aprovados pela Anvisa e por profissionais médicos, pode reduzir o número de células adiposas em diversas áreas de tratamento, podendo perder até 27% de gordura após 3 meses.

PARA FLACIDEZ

LIFTING FACIAL E CONTORNO CORPORAL

Com a proposta de uma beleza mais  natural, cada vez mais se desenvolvem técnicas com a mínima intervenção e o máximo de resultados possíveis. Esse é o caso do ultrassom micro e macrofocado.

Os procedimentos de ultrassom são feitos na face, promovendo um efeito lifting no rosto e no pescoço. Já o procedimento macrofocado é indicado para o corpo na redução de flacidez e gordura localizada, especialmente na região de abdômen e interna de coxas.

O tratamento consiste na aplicação do ultrassom micro ou macrofocado na área escolhida. As ponteiras emitem um calor que pode ser superior a 65ºC . “Esse aquecimento provoca microlesões na área tratada, favorecendo a produção de colágeno.

Isso já é feito em alguns procedimentos estéticos, mas apenas de maneira superficial. O grande trunfo dessa tecnologia, é atingir camadas mais profundas da pele, chegando até a fáscia muscular, permitindo atingir resultados que antes não eram possíveis”, detalha a médica. “Apesar da tecnologia já ser conhecida por muitos pacientes, é importante ressaltar que os equipamentos tem passado por atualizações contínuas e hoje se encontram em sua terceira geração”, completa.

Com ação progressiva, após uma sessão o paciente sentirá efeitos progressivos pelo próximos quatro a seis meses. A aplicação pode ser feita por pessoas em qualquer fase da vida, sendo inclusive recomendado para os cuidados “prejuvenation”, um termo que combina a prevenção com o rejuvenescimento, salientando a importância de se iniciar os cuidados de forma precoce.

Ultraformer III para flacidez facial e corporal

BIOESTIMULADORES INJETÁVEIS

 ÁCIDO POLILÁTICO – é um potente biostimulador injetável que atua incentivando a produção de colágeno pela pele. É um poderoso aliado para o combate à flacidez e reestruturação dos tecidos e pode ser utilizado em áreas da face, assim como pescoço, colo, abdômen, pernas e braços.

“Ele é um ativo biocompatível e bioabsorvível, ou seja, ele é assimilado naturalmente pelo corpo, reduzindo a possibilidade de reações adversas. Seu efeito contribui muito para suavizar as imperfeições da pele, ajudando, por exemplo, a definir o contorno da mandíbula”, explica a médica. Por serem ambos tratamentos focados no combate à flacidez, é comum que o ácido polilático e o ultrassom microfocado sejam combinados para potencializar resultados de lifting facial. “Essa é uma das associações mais buscadas pelos pacientes que visam combater os efeitos do tempo”.

HIDROXIAPATITA DE CÁLCIO – outro bioestimulador utilizado para o rosto visando estimular a formação de volume. É bastante utilizado na região malar, especialmente para a correção de queixos e maxilares, deixando-os mais simétricos. Também é utilizado para reduzir efeitos de flacidez, com incentivo à produção de colágeno. Além do rosto, pode ser aplicado também em mãos e diversas áreas do corpo, como braços e pernas. Também é comumente associado ao tratamento do ultrassom micro e macrofocado para obter resultados ainda mais potentes.

Fachada com ampla estrutura

LASER DE CO2

Para quem não pode ou não quer realizar um procedimento com agulhas, uma alternativa para rejuvenescimento é a aplicação de laser de CO2. Indicado para o tratamento de rugas, especialmente em volta dos olhos, e também sulcos (o chamado bigode chinês). É também considerado como primeira linha de tratamento para cicatrizes de acne e estrias, pois também contribui para reduzir a aspereza da pele e aumentar sua hidratação.

O laser atinge a epiderme, camada mais superficial da pele, e derme (camada profunda). “Na parte mais externa, o laser provoca um peeling, causando descamação e o processo de renovação celular. Na camada mais profunda, ele age estimulando a produção de colágeno e reorganização as fibras existentes. O resultado costuma ser uma pele mais lisa, firme e luminosa”, explica.

Além do tratamento do rosto, pode ser aplicado em estrias que costumam surgir nos seios, coxas e barriga, por exemplo, e pode contribuir ainda para reduzir o aspecto de certas cicatrizes.

CUIDADOS

Os procedimentos feitos com agulhas, tais como aplicação de bioestimuladores e preenchedores, devem ser feitos somente com profissionais altamente capacitados, pois são feitos em locais extremamente vascularizados e podem gerar consequências graves quando feitos por pessoas sem amplo conhecimento de anatomia. O mesmo cuidado deve ser mantido na escolha de tratamentos feito com equipamentos, tomando-se o cuidado de verificar se são marcas e modelos autorizadas pela ANVISA, e também buscando sempre profissionais altamente capacitados para operá-los, uma vez que muitas vezes submetem o corpo a altas ou baixas temperaturas. Procure sempre um médico com título de especialista em Dermatologia.

DICA DA D

A médica dermatologista Jane Domingues Ohara (CREMESP 35448/ RQE 2729) é formada pela Faculdade de Medicina de Marília, com título de especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia. Seu consultório fica na Rua Coronel José Brás, 1067, bairro Senador Salgado Filho, Marília. O telefone para contato é o (14) 3433-9566.

Compartilhar no
Beleza levada a sério