Uma nova etapa

Marcando duas décadas de atuação em Marília, Sicredi Centro Oeste Paulista inaugura novo endereço com agência modelo

Ética, confiança, retidão, sinceridade, lealdade, competência e precisão cirúrgica nas decisões são os pilares que sustentaram o surgimento da cooperativa de crédito constituída na cidade de Marília, há 20 anos, fruto da idealização de um grupo de médicos que, à época, ocupava a diretoria da Unimed – outra grande cooperativa nacional que experimenta o sucesso deste formato há muitas décadas. Em Marília, a cooperativa nasceu como Alcred. Evoluiu e procuraram por um sistema organizado e, assim, escolheram o Sicredi, que já tinha cem anos. A cooperativa de Bauru, que também era Alcred, migrou também para o Sicredi. Dracena vem posteriormente, em 2008, para formar uma nova cooperativa, já totalmente dentro do Sistema Sicredi. Em 2012, as três cooperativas passaram a atender todos os públicos, com a resolução do Conselho Monetário Nacional que possibilitou a livre admissão e, pensando em expandir suas fronteiras e crescer, elas se uniram em 2016, dando origem à atual Sicredi Centro Oeste Paulista.

João Alberto Salvi, Presidente da Sicredi Centro Oeste Paulista e vice-presidente da Central Sicredi PRSPRJ e Manfred Alfonso Dasenbrock, Presidente da SicrediPar e da Central Sicredi

E hoje, novamente, a cooperativa ganha mais um capítulo especial em sua história. Com cerca de 1.000 m² – cinco vezes maior do que sua antiga casa –  o Sicredi inaugura seu mais novo endereço, na avenida Nelson Spielmann, atrás da Catedral de São Bento.  Em seus dois andares, a nova agência oferece um amplo espaço de atendimento ao associado e 22 vagas de estacionamento, podendo acolher os donos da cooperativa com mais conforto assim que a pandemia do Coronavírus se encerrar. Além disso, a casa nova tem um espaço destinado às crianças, um confortável espaço para degustar um cafezinho, além de outro ambiente em que os associados podem utilizar a rede wifi. A proposta é que, no local, o associado possa desfrutar do conceito de coworking após todo o período de pandemia, servindo como suporte ao mesmo para fazer negócios com outras pessoas, além, é claro, de transações financeiras utilizando a cooperativa.

“Aqui o cliente é associado e o associado é dono e a gente sempre o trata como tal. Por isso, queremos oferecer o conforto que o dono merece e proporcionar o uso do espaço da agência para seus diversos negócios. Estamos felizes por dar mais este presente para o associado e para Marília, mesmo com esse período de isolamento”, comentou o presidente da cooperativa, João Alberto Salvi.

Dr. Ricardo Berriel, Dr. João Alberto Salvi e Sr. Carlos Henrique dos Santos, atuais presidente e vice-presidentes da Sicredi Centro Oeste Paulista

Sem festa nem barulho

Devido ao momento delicado da pandemia, a cooperativa tomou o cuidado de apenas mudar a agência de endereço, sem, no entanto, fazer uma festa de inauguração, para evitar qualquer tipo de aglomeração ou reunião de pessoas. Assim, respeita as medidas de segurança propostas pela Organização Mundial da Saúde e ainda proporciona aos colaboradores uma segurança maior se precisarem trabalhar da nova agência, pois, com mais espaço interno, a distância entre mesas e pessoas fica ainda maior. Hoje, 2/3 dos colaboradores da agência estão atendendo os associados remotamente, para também evitar aglomerações.

“Não fizemos a festa que queríamos neste momento, mas entendemos o período pelo qual estamos atravessando. Só mudamos de lugar e ficamos a postos, para atender melhor nosso associado quando ele precisar. Logo esse momento de pandemia passará e, então, poderemos fazer a festa com nossos associados e colaboradores e externar nossa alegria. Hoje estamos alegres, mas entendemos e colaboramos com a situação”, complementa o presidente.

SOBRE O SICREDI

O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. Na região Centro Oeste Paulista, está representado por 13 agências. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4,5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados (Acre, Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins) e no Distrito Federal, com mais de 1.800 agências, oferecendo mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br).

Palavra do Presidente

Para marcar a inauguração da mais nova agência, a Revista D Marília entrevistou o presidente da Sicredi Centro Oeste Paulista, o médico João Alberto Salvi, que além de nos contar sobre o conceito e os benefícios deste novo espaço, explana sobre aspectos históricos da cooperativa – como a fusão das unidades de Marília, Bauru e Dracena – além de explorar o impacto econômico da cooperativa na região, benefícios do sistema cooperativo, segurança e muito mais. Confira a seguir.

Revista D: Como foi a história de fundação da primeira unidade do Sicredi em Marília?

Dr. João Salvi: No fim da década de 90, na época da nossa fundação, a Unimed precisava ter um braço financeiro. A ideia inicial era que a Unimed tivesse o braço financeiro através de uma cooperativa de crédito. Escolhemos os sistemas, sendo a Alcred, na época, a escolhida e, posteriormente, transferimos para o sistema Sicredi. A Unimed foi quem patrocinou todos os custos iniciais, como reforma do prédio, treinamento e pagamento dos funcionários para que, posteriormente, a cooperativa devolvesse este dinheiro com correção para a Unimed.

Revista D: Desde quando assumiu como presidente da cooperativa? Qual sua história e trajetória até hoje?

Dr. João Salvi: A presidência foi uma incumbência dada pelo presidente da Unimed, o Dr. Francisco Quirici, o vice-presidente (ou diretor administrativo) na época era o Dr. Sérgio Antonio Nechar e o Diretor Tesoureiro era o Dr. José Eduardo Tomazini Pernambuco. Durante toda essa trajetória, nós acabamos sendo reeleitos.

Revista D: Como nasceu o Sistema Sicredi enquanto Sistema Nacional?

Dr. João Salvi: O Sicredi como conhecemos hoje teve início há 117 anos, em 1902, no sul do Brasil. Percebendo a necessidade de crédito por parte dos produtores rurais da região de Nova Petrópolis, no Rio Grande do Sul, o padre Suíço Theodor Amstad abriu a primeira cooperativa de crédito que, ao longo do tempo, cresceu, evoluiu e tornou o Sicredi como Sistema Nacional. Além de fomentar o crédito, o religioso viajava as cidades da região sul para promover cultura e educação, fomentando, assim, os pilares do cooperativismo.

Revista D: Como nasceu a Sicredi Centro Oeste Paulista e por que o Sistema Sicredi foi escolhido?

Dr. João Salvi: Nossa cooperativa nasceu em 2000. Naquela época, ainda eram duas cooperativas distintas, que atendiam somente profissionais da área da saúde, nas cidades de Marília e em Bauru. Em Marília nascemos como Alcred, evoluímos e procuramos um sistema organizado e, assim, escolhemos o Sicredi, que já tinha cem anos, e acreditamos que nos encaixaríamos melhor nele, pois, é mais estruturado. Junto com isso, a cooperativa de Bauru, que também era Alcred, migrou para o Sicredi. Dracena vem posteriormente, em 2008, para formar uma nova cooperativa, já totalmente dentro do Sistema Sicredi. Em 2012, as três cooperativas passaram a atender todos os públicos, com a resolução do Conselho Monetário Nacional que possibilitou a livre admissão e, pensando em expandir suas fronteiras e crescer, elas se uniram em 2016, dando origem à nossa atual Sicredi Centro Oeste Paulista.

Revista D: Em quais cidades o Sicredi está atuando hoje no centro oeste paulista e no Brasil, e em quais estados o Sicredi está e quantas agências têm?

Dr. João Salvi: Atualmente, a nossa cooperativa tem 13 agências em 10 cidades, sendo que nossa área de atuação é de 84 municípios, portanto, temos um caminho de expansão muito grande pela frente. Além disso, a nível nacional, estamos em 22 estados e no Distrito Federal, com mais de 1.800 agências.

Revista D: Qual o crescimento desde a fundação e os números atuais de cooperados no centro oeste e Brasil?

Dr. João Salvi: Quando começamos, em meados de 2000, éramos cerca de 45 associados no total (entre sócios fundadores de Marília e Bauru). Hoje somos mais de 26 mil associados em toda a cooperativa e, a nível Brasil, já somos mais de 4,5 milhões de associados. E estamos crescendo.

Revista D: O mesmo em termos de colaboradores?

Dr. João Salvi: Como começamos com uma pequena agência, tínhamos poucas pessoas trabalhando com a gente. Hoje, já passamos dos 200 colaboradores em nossas agências e sede, isso fora os terceirizados como segurança e zeladoria, além de inúmeros empregos indiretos que geramos na nossa área de atuação.

Revista D: Qual o impacto econômico no Centro Oeste Paulista e no Brasil?

Dr. João Salvi: Podemos falar de impacto econômico não só em Marília ou região, mas do cooperativismo de crédito de modo geral. O Sicredi realizou um estudo com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), que estima os impactos do cooperativismo de crédito sobre a economia brasileira. Os resultados comprovam o quanto o nosso modelo de negócio contribui efetivamente para o desenvolvimento das comunidades onde atuamos. A pesquisa analisou dados de todos os municípios brasileiros entre os anos de 1994 e 2017 e percebeu que, em cidades onde há uma cooperativa de crédito, o PIB per capita municipal é 5,6% maior do que em cidades onde elas não existem, além de haver 6,2% a mais de empregos formais, salários 1% maiores e 15,7% a mais de estabelecimentos comerciais. Além disso, nos 1,4 mil municípios que passaram a contar com uma cooperativa de crédito, entre 2006 e 2016, o impacto agregado na renda foi de 48 bilhões de reais. O número de empresas saltou nessas regiões. Foram 79 mil novas empresas e 278 mil empregos. A cada R$ 1,00 concedido em crédito é gerado R$ 2,45 no PIB da economia. A cada R$ 35,8 mil concedidos pelas cooperativas, uma nova vaga de emprego é criada no país. De acordo com a Fipe, a inclusão financeira de famílias, pequenos produtores e empresas forma um ciclo virtuoso que fomenta o empreendedorismo local, reduz desigualdades econômicas e aumenta a competitividade e a eficiência no Sistema Financeiro Nacional.

Revista D: Qual o patrimônio da cooperativa Sicredi Centro Oeste Paulista e nacional, se puder responder?

Dr. João Salvi: Enquanto Sicredi Nacional, nosso patrimônio líquido fechou em R$ 17,4 bilhões em 2019, 16% maior do que em 2018, quando era de R$ 15 bilhões. Localmente nossa cooperativa já chega a R$ 67 milhões em 2019, representando um crescimento de mais de 21%.

Revista D: Qual o índice de crescimento da cooperativa Sicredi Centro Oeste Paulista e Brasil em 2019 comparado a 2018?

Dr. João Salvi: Na Sicredi Centro Oeste Paulista, crescemos 23% em número de associados, de 2018 para 2019, além de 44% em resultado positivo gerado pela cooperativa. Já a nível nacional, foi 11% de crescimento em resultado e 15% em associados.

Revista D: Quais os benefícios de ser um associado no sistema Sicredi com relação ao sistema tradicional de bancos?

Dr. João Salvi: Bom, os benefícios são inúmeros. Aqui no Sicredi o cliente é associado e o associado é dono do negócio. Portanto, o atendimento que o cooperado recebe é de dono. Assim sendo, temos taxas mais justas e um atendimento diferente, onde o associado pode usufruir da estrutura da cooperativa como dono que de fato é. Além disso, ele participa das decisões sobre o futuro da cooperativa, votando nas assembleias e, inclusive, o resultado da cooperativa é dividido entre os associados.

Os recursos geridos permanecem na própria comunidade, fortalecendo a região e, como parte dos recursos gerados são reinvestidos na comunidade, o associado do Sicredi tem uma série de benefícios, como os programas de educação financeira da cooperativa, os comitês Jovem e Mulher, entre outros, além do programa a União Faz a Vida, a principal iniciativa social do Sicredi, que atinge não só associados, mas toda a comunidade onde está presente.

Revista D: Qual a segurança o associado tem em ser correntista de uma cooperativa de crédito do Sicredi?

Dr. João Salvi: Temos a segurança de sermos regulamentados pelo Banco Central do Brasil e, por sermos cooperativa, o nível de exigência é muito alto por parte do órgão regulador. Outro ponto é a transparência com que atuamos diretamente com o associado, prestando contas duas vezes ao ano em todas as cidades com agências, através de reuniões e assembleias. Nestas assembleias, os associados elegem o conselho fiscal e de administração, que são chapas formadas pelos próprios associados, onde o primeiro tem a função de fiscalizar a cooperativa, avaliando seus caminhos e diretrizes e, o segundo, dar o melhor encaminhamento para as ações estratégicas junto à diretoria executiva.

Temos, também, diversos mecanismos que garantem o investimento ou as movimentações financeiras do associado, além do próprio patrimônio da cooperativa. As cooperativas do Sicredi são unidas e responsáveis umas pelas outras e, portanto, a segurança não se dá apenas pelo resultado individual da cooperativa, mas do sistema como um todo e, este, finalizou 2019 com 3 bilhões de resultado líquido e administrando mais de 100 bilhões de recursos. E ainda depois disso, temos o que todas as instituições financeiras regulamentadas têm, que é o fundo garantidor, que cobre até R$ 250 mil por CPF em casos extremos.

Revista D: O quê representa a nova unidade do Sicredi para perspectivas de crescimento em Marília?

Dr. João Salvi: Nós queremos dar pra Marília algo que a cidade merece. Essa agência nova, com um conceito diferente, mais ampla, moderna, com estacionamento, próximo à tudo, representa um novo passo para continuar atendendo nossos associados cada vez melhor e ainda conquistar novas pessoas que queriam provar de uma forma diferente de cuidar da sua vida financeira.

Revista D: Quando foi inaugurada a primeira agência dentro da associação comercial de Marília? Foi a segunda agência da cidade, é isso?

Dr. João Salvi: Sim, a agência na ACIM foi a segunda agência da cooperativa e veio para atender ao novo grupo de associados de forma próxima e diferenciada. Sua inauguração ocorreu no dia 20 de maio de 2008.

Revista D: Por que ir para um prédio diferente? Poderia falar um pouco  mais sobre o que representa essa mudança?

Dr. João Salvi: Sempre prezamos pelo melhor para os associados, então esse novo prédio representa uma conquista de algo melhor para os associados, donos da cooperativa. Crescemos muito e o prédio na ACIM já não estava dando conta da quantidade de associados da agência. Além disso, as nossas unidades são feitas para ter em torno de cinco mil associados. Como a unidade da Avenida Rio Branco já tem cinco mil e a antiga unidade da Associação Comercial, dois mil, nós entendemos que seria necessário construir uma agência maior, com estacionamento, e que essa agência teria um limite para dez mil associados, ou, conforme for a utilização eletrônica da agência, ela pode ter um número maior de associados, proporcionando cada vez mais conforto e comodidade para eles.

Revista D: Qual o conceito da construção da nova agência?

Dr. João Salvi: Essa nova agência foi construída no conceito Coworking, onde o associado pode usufruir das instalações da agência para fazer seus negócios não só com a cooperativa, mas com a comunidade de modo geral. Por exemplo, se ele quiser, pode vir até a agência e se reunir com outro associado para tratar de negócios e não paga nada a mais por usar o espaço da sua cooperativa. A ideia é que cada vez mais a agência seja um ponto de realizar negócios e menos de fazer transações que a gente pode fazer de várias outras formas.

Revista D: Por que essa nova agência vai beneficiar os associados? O que poderão fazer nela que não podiam fazer na outra?

Dr. João Salvi: Ela é uma agência mais ampla, moderna, com vagas de garagem e espaço para o associado fazer seus negócios. Muito mais cômoda e, além do associado poder fazer negócios com a cooperativa, pode fazer negócios com a comunidade utilizando as instalações da cooperativa. É um conceito de Coworking, algo que não tínhamos na Associação Comercial por falta de espaço.

Revista D: Dr. João, o senhor tem mais algumas considerações a fazer?

Dr. João Salvi: Nós já estamos, dentro de 2020 e 2021, com perspectiva de Brotas, Lins e uma agência nova em Adamantina. Em Brotas já estamos bem avançados na negociação do prédio e queremos inaugurá-la em torno de 6 meses. Com isso, vamos ocupando gradativamente os 84 municípios que fazem parte da nossa área de atuação.

SAIBA MAIS

A Sicredi Centro Oeste Paulista mantém as duas agências na cidade, uma na avenida Rio Branco, 1.153, que foi reformada e reinaugurada em 2018, e a nova, que abriu suas portas em abril de 2020, na avenida Nelson Spielmann, 629. Acesse o site da cooperativa, o www.sicredicentrooestepaulista.com.br ou as redes sociais, facebook.com/sicredicentrooestepaulista ou @sicredicentrooestepaulista no Instagram, e acompanhe, de casa, todas as novidades da cooperativa.

Compartilhar no
Uma nova etapa