Contrato de aprendizagem

Por dentro do Programa Aprendiz Legal
O contrato de aprendizagem é o de trabalho especial, ajustado por escrito e por prazo determinado não superior a dois anos, no qual o empregador se compromete a assegurar ao aprendiz, inscrito em programa de aprendizagem, formação técnico-profissional metódica compatível com o seu desenvolvimento físico, moral e psicológico. O aprendiz, por sua vez, se compromete a executar, com zelo e diligência, as tarefas necessárias a essa formação.
Mas, afinal, quem são os aprendizes? São pessoas maiores de 14 anos e menores de 24 que celebram contrato de aprendizagem nos termos do disposto no artigo 428 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT.
Todas as empresas são obrigadas a contratar aprendizes em decorrência do disposto no artigo 429 da CLT e do recente Decreto nº 9.579/18, em porcentagem de, no mínimo, 5% e, no máximo, 15% do total do quadro de funcionários, com exceção das empresas com menos de sete funcionários, microempresas, empresas de pequeno porte, optantes pelo Simples Nacional e as entidades sem fins lucrativos que tenham por objetivo a educação profissional, de acordo com o parágrafo primeiro do artigo 2º da Instrução Normativa nº 97/2012 da Secretaria de Inspeção do Trabalho.
Para o cálculo da cota de aprendizagem, as frações de unidade serão arredondadas para o número inteiro subsequente, hipótese que permite a admissão de aprendiz. Por exemplo, se a empresa possui 24 funcionários e deseja contratar o mínimo de 5% de aprendizes, o resultado que seria de 1,2 (um inteiro e dois décimos), ou seja, fragmentado, será arredondado para cima, com a contratação de dois aprendizes.
Outrossim, deverão ser incluídas na base de cálculo todas as funções que demandem formação profissional, independentemente de serem proibidas para menores de dezoito anos, excluindo-se, no entanto, os empregados que executem os serviços prestados sob o regime de trabalho temporário, as tarefas que exigirem, para o seu exercício, habilitação profissional de nível técnico ou superior, ou, ainda, as atividades que estejam caracterizadas como cargos de direção, de gerência ou de confiança.
Para a contratação, a empresa precisará atender, prioritariamente, aos adolescentes entre 14 e 18 anos, exceto quando as atividades práticas da aprendizagem ocorrerem no interior do estabelecimento e sujeitarem os aprendizes à insalubridade ou à periculosidade, sem que se possa elidir o risco ou realizá-las integralmente em ambiente simulado; a lei exigir, para o desempenho das atividades práticas, licença ou autorização vedada para pessoa com idade inferior a dezoito anos; e a natureza das atividades práticas for incompatível com o desenvolvimento físico, psicológico e moral dos adolescentes aprendizes.
A contratação do aprendiz se formaliza com a orientação das instituições qualificadas, tais como SENAI, SENAC, SANAR, SENAT e SESCOOP, bem como em escolas técnicas e entidades sem fins lucrativos que tenham cursos de formação profissional devidamente registradas junto aos órgãos de Proteção e Desenvolvimento da Criança e do Adolescente.
Vale esclarecer, por fim, que a jornada de trabalho do aprendiz é de até seis horas diárias, salvo aos que já tenham concluído o ensino fundamental, cujo labor poderá se estender até oito horas diárias, desde que nessa carga horária sejam computadas as horas destinadas à aprendizagem teórica. Em qualquer hipótese aqui explanada, o salário mínimo-hora deverá ser garantido.
Importante: após a Portaria n° 693/2017, todas as atividades econômicas consideradas, por algum motivo, não aplicadas aos aprendizes, não serão dispensadas da contratação. Assim, as empresa deverão requerer junto à respectiva unidade descentralizada do Ministério do Trabalho a assinatura de Termo de Compromisso para o cumprimento da cota em entidade concedente da experiência prática do aprendiz (órgãos públicos, organizações da sociedade civil – nos termos do artigo 2º da Lei nº 13.019/2014 – e as unidades do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo – SINASE, de acordo o parágrafo segundo do artigo 23-A do Decreto nº 5.598/05).
À vista disso, em caso de descumprimento, a empresa sofrerá a aplicação de multa no importe de um salário mínimo multiplicado pelo número de aprendizes não admitidos ou contratados com irregularidade, sendo esta penalidade limitada a cinco salários mínimos, salvo em reincidência, oportunidade na qual o valor será dobrado, conforme artigo 434 da CLT.
 
Gabriela Giovana Silva Cardoso é advogada da Carteira Trabalhista do escritório Iasco & Marçal Advogados Associados. Pós-graduanda em Direito Público pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas).
 
Tainara Colombo Simão da Silva é advogada da Carteira Trabalhista do escritório Iasco & Marçal Advogados Associados. Especialista em Direito do Trabalho e Previdenciário pelo Centro Universitário Eurípedes de Marília/SP (UNIVEM) e pós-graduanda em Direito Público pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas).

Compartilhe!
Deixe seu comentário

Veja
Também

Telefone
Diretor Comercial
Marcos Flaitt
(14) 99601-3070
E-mail
redacao@revistad.com.br
apoiorevistad@gmail.com
(14) 3221-0780
Siga-nos