Bicho da fortaleza

Na calada da madrugada, uma sombra fugaz desperta os pensamentos mais sombrios de uma lenda rural
O silêncio toma conta desta madrugada. São quatro da manhã e não há viva alma nos arredores da minha casa. Somente eu acordado a escrever. E, antes de começar a rascunhar algumas palavras nesta máquina, presenciei um fenômeno, no mínimo, interessante.
Estava sentado na varanda a fumar um cigarro quando vi meu cachorro passar correndo de um lado para o outro. Em princípio, achei que fosse um dos meus dois cachorros. Olhei para o lado, e lá estava meu pastor alemão a me fazer companhia. Concluí que se tratava do meu vira-latas. Então fui até a direção onde vi meu cachorro preto parar - o vira-latas - para saber o que ele estava fazendo ali no escuro.
E, para meu assombro, ele sai de outro canto da varanda, todo sonolento e se alongando. Logo, o que eu vi não era o meu cachorro. Confesso que fiquei pasmo com o ocorrido. Até porque a sombra de cachorro preto era um pouco maior do que a do meu cão. Então comecei a pensar sobre o que eu vi.
Seria a sombra de um gato no telhado a essa hora? Poderia ser se não fosse o fato de que gatos não têm sombra de cachorro. Mas o que era aquilo, afinal?
Lembro-me agora de um depoimento de minha falecida mãe. Ela disse ter visto certa vez a alma da minha cachorrinha no banheiro. Segundo minha mãe, era uma espécie de cachorro transparente. Claro que não dei muita bola, pois minha mãe vivia a ver almas, anjos etc. Mas, a esta hora da madrugada, esses pensamentos sobre assombração são muito propícios, ainda mais depois de ter visto uma sombra preta em forma de cachorro.
E aqui me lembro da lenda do bicho da fortaleza. Segundo meu pai, lá pelas bandas de Minas Gerais, havia um fazendeiro muito grosseiro e ruim, uma espécie de coronel do sertão mineiro. Quando alguém vinha lhe cumprimentar, o tal fazendeiro não dava a mão, mas o pé. Um belo dia o fazendeiro morreu - e como era gente muito malvada, acabou virando alma penada na forma de um cachorro enorme que vivia pelas redondezas de Pedra Azul a assustar as pessoas.
Numa noite, a alma penada resolveu visitar a sua antiga fazenda. E lá chegou causando estardalhaço entre os animais de sua antiga propriedade: as galinhas começaram a se agitar, o gado mugia, a cachorrada não parava de latir e uivar. Foi então que o filho saiu com um pedaço de pau na mão para ver o que se passava.
E quando se deparou com um cachorro enorme, com olhos de fogo - seu antigo progenitor encantado - ouviu do animal: "Não bate no seu pai, não". Essa é a lenda que eu ouvi do bicho da fortaleza. Escutei essa estória do meu pai, que ouviu do meu avô, que ouviu de seus antepassados também.
E agora, após a sombra de cachorro que eu vi ou julguei ver na minha varanda, acho que o bicho da fortaleza resolveu sair lá do sertão de Minas Gerais para me fazer uma visita em Marília.

Compartilhe!
Deixe seu comentário

Veja
Também

Telefone
Diretor Comercial
Marcos Flaitt
(14) 99601-3070
E-mail
redacao@revistad.com.br
apoiorevistad@gmail.com
(14) 3221-0780
Siga-nos